terça-feira, 9 de janeiro de 2018

We Made These Memories For Ourselves

This is just me thinking out loud about how I can't listen to Ed Sheeran anymore. Because everytime I do I remember you.

I remember that two years ago I found a love for me, and I've never dive so deep into something. I remember that I used to see my future in your eyes. And we used to love dancing in the dark, or just walking on the park listening to our favorite songs. And one of them say that "people fall in love in misterious ways" and we always disagreed, because since the beginning our love was so simple.

I remember that our relationship used to be the "relationship goals", and we never tried so hard to achieve that status, we were just us and that's what made us awesome! Because together we were everyday discovering something brand new.

I remember that the shape of you fits perfectly in mine, cause all that you are is all that I'll ever need. We were so perfect together that I realized your love was handmade for somebody like me

With you I learnt that loving can hurt sometimes but it also can heal, and it's the only thing that makes us feel alive.


We fought against all odds, but yet we lost the battle. All I know is that we were so in love...


Afterall, that's the story of how I fell in love with an English American man. All I can say now is that I miss the way you make me feel and I'll be loving you 'til we're seventy.




So you can keep me inside the pocket of your ripped jeans...

terça-feira, 26 de dezembro de 2017

Sad Christmas

Can you imagine the pain of holding your cellphone tight against your chest, wanting so bad to send someone a Marry Christmas message but knowing that you can't do that. Because you promised yourself that you wouldn't. Because you promised each other that you shouldn't. Even being the thing you two want the most. A Merry Christmas message. A Merry Christmas movie together...

Just a Happy Christmas. Just being together.

It would be the best gift ever.

And we never asked for more than that.


But like we used to say, our love is so much more than normal hearts could understand.

domingo, 24 de dezembro de 2017

Já vai tarde, 2017

Eu pensei em mil maneiras de como começar este texto, e a melhor frase que me veio em mente, mesmo que eu tentasse me segurar, apareceria no meio do texto em algum momento, então vou falar de uma vez: meu 2017 foi uma bosta!

Isso vai contra tudo o que eu falei no último post, eu sei. O fato é que eu comecei a tentar aprender a agradecer pelas pequenas coisas justamente por isso. Porque eu precisava de pequenas coisas boas para sobreviver em meio ao caos. Mas tudo continuou igualmente caótico por muito tempo, o que mudava de vez em quando era a minha maneira de lidar com isso.

Eu estava me virando em mil para tentar manter por perto todos que eu amo e ficar feliz. E fazer todos felizes. Não deu certo, e ninguém estava feliz. E, no fim das contas, eu acabei perdendo as duas maiores partes de mim. E para conseguir conquistar uma delas de volta eu tive de abrir mão da outra, porque era "a coisa certa a se fazer". E não por isso doeu menos. E não por isso não continua doendo.

Num momento de lucidez em que eu comecei a pensar mais em mim e parar de tentar fazer todos felizes em detrimento da minha própria felicidade, eu travei. A minha vida estava no modo automático há tanto tempo que, quando eu olhei para dentro de mim mesma, percebi onde eu estava tanto fisicamente quanto espiritualmente, eu levei um choque muito grande. Eu não estava mais satisfeita com quem eu era. Eu não tinha mais certeza de quem eu era. A minha vida era aquela situação, na qual eu me via presa há muito tempo, em detrimento de todas as outras esferas da minha vida que fazem de mim quem eu sou.

Foi aí que eu comecei a ler O Poder do Agora. Um livro que foi um "despertar", ao mesmo tempo que foi um tapa na cara, ao mesmo tempo em que, ora me fazia respirar mais tranquila, ora me deixava arrasada. Foi uma experiência que mudou meu jeito de enxergar alguns aspectos da vida. Me trouxe leveza, ao mesmo tempo em que me deu um certo medo de tentar, de fato, viver no agora.

Eu percebi que eu estava tão apegada a resolver um único problema e ficar imaginando soluções mirabolantes para um futuro melhor, que eu não parei para pensar em como eu estou me sentindo agora. E percebi que o meu próximo desafio é uma coisa que, muitas vezes, pode ser aterrorizante: conhecer a mim mesma.

Há quem diga que tudo isso é exagero. De fato eu ouvi isso algumas vezes. Podem dizer que tem pessoas com problemas piores, o que não é mentira. Mas quem somos nós para avaliar o nível de gravidade dos problemas uns dos outros, certo? Eu tenho família, casa, comida, saúde, boas condições de vida e de estudo, mas o sofrimento emocional que eu passei esse ano eu não desejo nem para o meu pior inimigo.

Eu poderia - e talvez até deveria, afinal, é o propósito da retrospectiva - falar dos outros aspectos da minha vida. E principalmente falar sobre algo que deixe esse texto mais leve, porque não tá fácil. É só que esse ano foi, realmente, resumido nessas coisas ruins que aconteceram e tiraram a minha paz. Mas temos então a primeira resolução de ano novo: paz. Conhecer a mim mesma e ficar de bem comigo e com o mundo, e quem sabe aos poucos tudo vai se colocando em seu lugar.

Quanto ao resto, está aí tudo o que vocês precisam saber:
1) A faculdade está ok
2) A Empresa Júnior que eu co-fundei com uns colegas está voando!
3) Fiz meu primeiro estágio esse ano e morei em Joinville
4) Fui nos shows do Jason Mraz e do Ed Sheeran e foram incríveis!
5) Consegui um estágio para o ano que vem e vou morar numa cidade de 12 mil habitantes

Por hoje é só. Ou, no caso, por 2017 é só.

Que venha 2018 e que ele seja imensamente melhor do que 2017. Feliz Natal e Feliz Ano Novo para todos!

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Happy Thanksgiving

Eu não to nem aí se o feriado é americano, porque eu acho que todos devíamos agradecer todos dias, então não custa ter um dia no ano para nos lembrar de fazer isso.

E pra ser bem sincera, eu sou uma péssima pessoa para vir dar esse tipo de conselho, porque meu ano de 2017 foi bem ruim. Mas eu estou tentando me tornar uma pessoa mais zen e de bem com a vida, e uma coisa que estou tentando praticar é a gratidão.

Vou contar uma coisa bem pessoal para vocês: eu tenho um caderninho onde, todos os dias, eu tento anotar três coisas boas que aconteceram, que me fizeram sorrir, enfim, tudo pelo que eu possa agradecer. Nem sempre anoto três coisas, às vezes só uma, mas o importante é parar para refletir e ver que podemos ser gratos mesmo pelas pequenas coisas (eu diria principalmente por elas na verdade).

E sim, tem dias em que eu sinto que não tem nada para escrever. Às vezes a gente é tomado pela rotina e nada de interessante acontece e parece que não temos nada a agradecer. Nesses dias eu agradeço mentalmente pelo simples fato de estar viva, ou por ter sobrevivido a mais um dia triste/chato/entediante. E lembro também das coisas pelas quais agradeço mentalmente todos os dias, que parecem tão pequenas e triviais, mas que infelizmente não são todas as pessoas do mundo que têm. Eu agradeço por ter uma boa casa para morar, por ter uma boa qualidade de vida, estudar numa ótima universidade, ter saúde, ter uma família incrível, essas coisas que a gente sabe que tem mas não para pra pensar a respeito.

Enfim, se você leu até aqui, eu quero te lançar um desafio. Pare agora, pegue um papel e uma caneta, e escreva três coisas pelas quais você se sente grato pelo dia de hoje ou por esse ano. Se você adotar esse hábito (pode ser mentalmente também), você vai aprender a enxergar a vida de uma maneira diferente.

Para incentivar, eu vou fazer a minha própria listinha. Meu ano não foi bom, não vou mentir, mas isso não significa que não aconteceram algumas coisas boas nas quais penso até hoje.

1) Eu consegui um ótimo estágio: no meu curso isso é muito importante, pois temos 6 estágios durante a graduação, e logo no meu primeiro eu fui trabalhar numa ótima empresa, numa área de atuação que me interessa, e vivenciei um crescimento profissional e pessoal imenso.

2) Conheci pessoas incríveis nessas minhas mudanças de cidade: me mudei duas vezes esse ano, e em ambas fui extremamente bem recebida. No apartamento em que estou agora tem duas meninas queridíssimas com quem me dou muito bem e estou feliz por ter conhecido; e em Joinville morei com uma mulher incrível de quem sinto muita saudade (um beijo especial pra ela, que foi uma mãezona pra mim).

3) Estou voltando a ter o hábito da leitura e li um livro que me mudou: fazia anos (sim, eu disse ANOS) que eu não lia um livro até o final. Nos últimos meses eu consegui retomar essa hábito, começando por um livro que pode ter mudado a minha vida (eu acho esse tipo de constatação um pouco forte, mas me acrescentou muito e grande parte do crescimento pessoal que estou vivenciando agora é graças a ele), é O Poder do Agora. Na minha concepção é uma mistura de autoajuda com espiritismo, e o autor nos ensina a olhar para dentro de nós mesmos e aceitar o que temos e o que somos AGORA, e é um baita de um aprendizado.

Enfim, acho que é isso. Esse post pode não ser tão comum em relação ao que sempre posto, mas eu senti uma necessidade muito grande de escrever e compartilhar esse aprendizado, e eu espero do fundo do meu coração que eu tenha incentivado alguém a fazer algo que nos é tão difícil: agradecer.

E você? Já agradeceu hoje?

sábado, 4 de novembro de 2017

Ilha do Campeche

Oi, gente!

O blog tá tão parado esse ano, né? Agora que percebi que só fiz uma postagem e fiquei bem triste. Nem sei se ainda sei escrever.

Mas eu vou tentar. E se não der certo pelo menos tenho fotos :)

Enfim, hoje foi dia de conhecer mais um pedacinho de Floripa. Meus pais vieram passar o feriado comigo e fomos na Ilha do Campeche.

Campeche é uma praia bem famosa no sul de Florianópolis e, saindo dela, em 5 minutinhos já chega na Ilha do Campeche e dá pra ficar um bom tempo lá. O local é protegido como Patrimônio Arqueológico e Paisagístico Nacional, então a entrada de pessoas na ilha é controlada, e o transporte é um absurdo de caro, mas é o que tem.


Foto aérea da Ilha do Campeche (Autor desconhecido)

Primeiramente, você tem que escolher um dos três pontos de Florianópolis de onde você pode embarcar para a ilha, são as seguintes praias: Campeche, Armação e Barra da Lagoa.

Tanto do Campeche quanto da Armação o preço do trajeto é R$80 (fora de temporada), e a primeira saída é às 9:30. Na Barra da Lagoa eu nem liguei porque é muito mais longe e ouvi dizer que levaria pelo menos 1 hora para chegar.

Na praia da Armação você sai de barco com os pescadores da praia, e pelo que ouvi dizer o trajeto demora cerca de 30 minutos. Quando liguei o pescador disse que tínhamos direito de ficar 4 horas na ilha. Já saindo do Campeche você vai de bote inflável, num trajeto de cinco minutos, e você pode voltar o horário que quiser, até às 16h, quando o último bote sai da ilha. Escolhemos o Campeche por três motivos (no caso eu escolhi, porque sou a guia turística dos meus pais): poder ficar até "fechar", trajeto mais rápido e menos balanço (claro que bote balança, mas nem dá tempo de ficar enjoada), e como hoje o mar estava bom foi tranquilo, mas pode ser que você se molhe bastante na ida porque vai contra as ondas.

Chegando na ilha fomos recepcionados por um dos monitores, que nos falou um pouco sobre o local e nos explicou algumas regrinhas. Tudo questão de bom senso: é um patrimônio nacional, então o mínimo que você tem que fazer é juntar o seu lixo (como em qualquer lugar do mundo) e respeitar a natureza. Ele falou também das trilhas que podíamos fazer.

Eu não planejava fazer trilhas porque não sabia quão extensas elas eram, se precisava de calçado fechado, se era muito caro (porque só pode ir com monitor), mas me informei e acabei indo. Depois de os monitores falarem que pode ir de chinelo e me jurarem de pés juntos que não tem cobra na mata.

A primeira trilha era a Letreiro, que nos levou até um sítio arqueológico num costão rochoso, com inscrições rupestres de povos antigos que habitavam Florianópolis. É uma trilha de dificuldade média e duração de 1 hora (ida e volta). Eu achei bem tranquila, mas tem muitos degraus que tem que tomar cuidado, assim como na hora de andar nas pedras. Foi muito interessante porque, como a trilha é guiada, o monitor explica toda a história, e a paisagem vale cada centavo investido.

Sim, as trilhas também são pagas, e o dinheiro é utilizado para manutenção da ilha. Nessa trilha eu paguei R$10.

Sítio Arqueológico na Trilha Letreiro. À direita, rocha com inscrição rupestre.

Nos paredões de rocha da foto abaixo há várias inscrições rupestres, todas geométricas, como triângulos, linhas como as da foto acima, e alguns círculos. Não é possível dizer que povo passou por aqui e fez essas marcações, pois não é possível datá-las, mas é bem interessante observar e ouvir as explicações do guia.

Costão rochoso na Trilha Letreiro

Voltei para a praia, fiquei um pouco por lá, mas não entrei no mar porque tava muito vento. Eu fiquei bem chateada porque não é sempre que dá para ir pra ilha, e a água do mar é linda e bem verdinha, mas também super gelada, e quando se fala de vento em Florianópolis é vento MESMO.

Na praia há apenas um restaurante, e dizem que nem sempre ele abre, mas hoje estava aberto e comemos uma porção de fritas. Os valores estavam dentro do preço médio das praias de Floripa (que já não é barato), mas não achei tão absurdo. Eu sugiro que leve um lanchinho (e muita água).

Ilha do Campeche

Um detalhe um tanto quanto peculiar da ilha é que você precisa tomar muito cuidado com os seus pertences (e a sua comida!!) pois há uma "gangue" cujos exemplares podem roubar suas coisas e sair correndo para o mato. Trata-se dos QUATIS da Ilha do Campeche!

Quati na Ilha do Campeche

Eles são bonitinhos e até tranquilos, mas podem rasgar sua sacola de comida ou roubar sua batata frita se você der mole.

Enfim, depois do lanche convenci meus pais a fazerem a próxima trilha comigo, a Pedra Preta do Sul, também de dificuldade média e cerca de 1 hora de duração (ida e volta). Para essa trilha também tinha que pagar R$10, mas o moço me reconheceu da primeira e disse que eu não precisava pagar. Eu não sei se ele foi muito legal porque viu que eu tava empolgada, ou se foi porque levei meus pais e eles pagaram, mas de qualquer forma vale a pena fazer todas as trilhas que você conseguir.

Nesta trilha fizemos duas paradas: primeiro num mirante com uma vista linda do mar aberto e também do Letreiro, com uma vista privilegiada do costão rochoso que já mostrei para vocês, e a segunda parada era outro sítio arqueológico, com uma paisagem bem parecida, e mais uma vista de tirar o fôlego.

Costão rochoso na Trilha Pedra Preta do Sul

Ao fundo da foto pode-se observar um morro da parte sul de Florianópolis, e atrás dele encontra-se a praia da Lagoinha do Leste (ao menos foi o que o monitor disse), mais uma praia que está na minha lista desde que me mudei para cá, mas só tem acesso por trilha, então assim que eu adquirir um condicionamento físico decente eu dou um jeito de ir.

Enfim, essa foi a minha experiência na Ilha do Campeche. Uma pena que pegamos um dia nublado, mas o tempo estava tão instável de manhã que tínhamos a esperança de que melhorasse, mas mesmo assim valeu a pena. Um saldo de duas trilhas num dia me soa muito bom.

Considerações Finais: ir para a Ilha do Campeche é muito mais fácil do que parece, basta se informar. E vá fora de temporada, senão você vai falir. Para mais informações acesse o site da ilha, onde tem os telefones das associações que fazem o transporte, ou procure "Ilha do Campeche" no Facebook.

Recomendo o passeio a todos que forem passar uns dias em Florianópolis. Foi um dia delicioso e eu já quero voltar para fazer as outras trilhas e entrar no mar.

Por hoje é só. Tchauzinho e até a próxima!

sábado, 24 de junho de 2017

Vida nova! (mas só por 4 meses)

Oi, gente!

Vocês não sabem a saudade que eu senti daqui. Mas hoje eu tomei vergonha na cara e vim contar para vocês, depois de um mês, que eu estou morando em Joinville!

Estou fazendo meu primeiro dos seis estágios obrigatórios do meu curso, o que significa que minha vida de nômade começou, pois de agora em diante serão três/quatro meses morando cada vez numa cidade diferente, o que eu particularmente acho o máximo.

A cidade da vez é Joinville e eu estou trabalhando na Schulz. É um empresa grande e boa, o que significa que eu me dei muito bem. E eu estou gostando muito de trabalhar lá.

Já sobre morar em Joinville eu não posso dizer com convicção sobre gostar ou não porque praticamente tudo que eu conheço daqui é o trajeto casa - trabalho - casa. Porém, esse fim de semana eu resolvi ficar por aqui e fui passear no centro, o que significa que tem fotinha pra vocês!!

Pra falar bem a verdade, eu já conhecia um pouquinho o centro de Joinville, mas eu nem sabia disso. É porque eu fiz o vestibular da UFSC aqui, porque é mais perto de Curitiba, e fiquei hospedada num hotel bem no centro, mas nem me dei conta porque eu não tive tempo de sair passear. O único lugar que eu conheci foi o shopping Mueller porque era logo atrás do hotel e eu fui comer lá e dar uma volta.

Hoje eu fui passear e descobri a Rua das Palmeiras. E eu adoro palmeiras. Eu fui andando devagarinho, tirando muitas fotos, aí eu sentei no banquinho e fiquei olhando a paisagem... foi um momento bem zen.

Rua das Palmeiras

Aquela casa lá no fundo é o Museu de Imigração. Eu não entrei porque eu realmente tinha que passear no centro e comprar coisas, mas quem sabe eu tiro um dia para visitar os museus e mostro aqui para vocês. Pelo pouco que eu pesquisei parece que tem vários por aqui. Mas que vai ter mais turismo, vai. Disso vocês podem ter certeza!


Além de palmeiras, também tem flores na Rua das Palmeiras. Não é nenhum jardim robusto e cheio de flores, eu achei bem poucas na verdade, dessas pequenas como da foto, mas não seria eu se não parasse pra tirar foto de flor né.

E, para fechar o post, uma foto de onde tudo começou.


Eu tive um momento nostálgico hoje lá no centro. Porque, de certa forma, tudo começou nesse hotel, nessa praça onde eu tomei sorvete e sentei para descansar depois das longas provas de vestibular, em meio ao calor insuportável daquele dezembro de 2015. Foi o primeiro cantinho de Joinville que eu conheci (tirando o Festival de Dança há trilhões de anos, mas isso é outra história), foi onde eu dormi por três noites e onde eu vivi um fim de semana decisivo.

É engraçado estar de volta, porque a princípio Joinville era apenas a cidade em que eu fiz vestibular por ser mais perto de casa, e agora, por causa daquele vestibular, eu vim parar aqui de novo, para morar aqui, para trabalhar aqui, para dar mais um passo rumo ao meu futuro, assim como eu dei naquele fim de semana.

E eu pretendo voltar a morar aqui futuramente pois é o paraíso de empresas boas para fazer estágio na minha área, e eu devo admitir, eu to gostando. 

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Retrospectiva 2016

Todo mundo sabe que 2016 foi uma loucura!

Eu tenho visto retrospectivas em sites mostrando os memes do ano, as coisas engraçadas e bizarras que aconteceram na internet e tudo o mais, e algumas coisas eu vejo e penso "meu Deus, isso foi em 2016?? Parece que foi há muito tempo!". É sempre assim, porque doze meses é muita coisa, e quando você para pra pensar no que aconteceu em cada um deles, é muita história para contar!

Eu tive muita história esse ano, e, apesar das desgraças todas e de todo mundo falar que foi um ano horrível, na minha vida pessoal foi um tanto quanto ótimo (talvez ótimo seja demais, mas foi bem bom).

Óbvio que meu apelido de caloura foi Minion
Eu já comecei o ano com notícia boa né, gente. PASSEI NA UFSC! O que fazer? Correr para Florianópolis procurar abrigo porque em menos de um mês as aulas começam!!
Abrigo encontrado, mudança feita, e que venha o primeiro dia de aula.

No começo foi bem difícil para mim. Eu me sentia sozinha, e eu demoro um pouco para fazer amizades e me soltar com as pessoas, então o primeiro mês foi horrível. O que me salvava eram as visitas do Caio, porque eu fiquei um mês e meio sem vir para Curitiba.

Mas aí eu comecei a fazer amizades, fiz iniciação científica no Laboratório de Materiais, e a vida por lá começou a ficar mais agitada e interessante. O primeiro trimestre foi bom e ruim ao mesmo tempo. Tinha uma matéria bem chata que nos ocupava muito tempo para fazer relatórios, mas teve também as matérias de introdução ao curso, que me faziam finalmente acreditar que eu tinha chegado lá, que eu estava realizando meu sonho! Teve o tão temido cálculo, que se mostrou menos assustador do que eu esperava, e agora já acabou.

Durante o ano teve visitinha da família também, porque agora que eu moro "na praia" até parece que eles não vão aproveitar uns feriados por lá de vez em quando. Dói um pouco o coração não voltar para Curitiba no feriado, porque eu to sempre com saudade de tudo e todos, mas ter meus pais por perto no meu novo cantinho é muito bom, sem contar que, com turistas loucos por uma praia e um carro a disposição, fica muito mais fácil explorar a ilha.

Nós no Maximus ♥
O segundo trimestre foi mais tranquilo, e depois eu finalmente consegui uns dias de férias, e os aproveitei maravilhosamente viajando para São Paulo. Fui no Maximus Festival e passei uns dias na cidade. Foi incrível e vocês podem ler mais no meu Diário de Viagem.

Uma coisa que eu não comentei é que, depois de São Paulo, eu fui para Assunção, no Paraguai, batizar meu priminho. Ele tem família lá e eu recebi o maravilhoso convite para ser sua madrinha e, de quebra, conheci um pouquinho um lugar novo. Passei dois dias lá com a família do meu tio, conheci um pouquinho a cidade e foi muito legal. Aí eu voltei para o terceiro e (finalmente) último trimestre do ano.

A terceira fase da faculdade foi bem mais complicada. Era tanta coisa para estudar que eu ficava louca. No meio disso teve meu aniversário, que é em outubro, e é uma coisa que realmente vale lembrar. Meu aniversário caiu no domingo, então óbvio que o fim de semana todo era só meu. Mas, melhor do que isso, eu tive DOIS fins de semana de aniversário!

Com direito a chapéu de Minion ♥
No fim de semana anterior, ainda em setembro, o Caio foi de surpresa para Floripa e planejou uma festa para mim com todos os meus amigos de lá. Foi incrível! Eu jamais podia esperar, principalmente porque ainda não era a data, então foi uma das melhores surpresas da minha vida! Foi quando eu comecei a me dar conta de como eu tenho pessoas muito queridas em Floripa, que se esforçaram para fazer essa surpresa dar certo, e aí eu comecei a gostar ainda mais de lá, porque o período de adaptação foi bem longo para mim e nesse momento eu fiquei realmente feliz de poder viver tudo isso.

No fim de semana seguinte (o do meu aniversário mesmo) eu vim para Curitiba, vi minha família, saí com meus amigos, ganhei um Minion gigante!, almocei com meus pais (e ainda tive que votar). Foi um aniversário memorável! (Ou seriam aniversários?)

Enfim, depois de três longos meses que pareceram muito mais, o trimestre finalmente acabou, eu passei em tudo (amém) e vim para Curitiba para finalmente ter férias de verdade e ficar mais do que quatro dias por aqui.

É engraçado ver minha família depois do meu primeiro ano sozinha, porque todo mundo pergunta como vão as coisas em Floripa (eu respondo: calor) e até quando eu vou ficar aqui. É estranho isso, mas ao mesmo tempo interessante. Nesse Natal eu vi gente da família que eu nem lembrava que existia, e sempre tinha assunto porque todos me perguntam da minha vida nova e isso é muito legal (tirando quando falam que eu to super morena porque moro lá e vou para a praia o tempo todo. Spoiler: eu não vou para a praia o tempo todo (e eu to morena porque passei um dia em Caiobá); e também quando ficam com invejinha porque lá é "sensacional", sendo que eu que tenho inveja de todos por continuarem aqui. Mas apesar de eu falar desse jeito, eu estou aprendendo a gostar cada vez mais de morar fora, não pela cidade em si, mas pela UFSC, que eu adoro, pelo meu curso que eu tanto desejei, e pelos amigos incríveis que eu conheci nesse ano).

Lindinhas

Agora vou aproveitar um último espacinho para mandar um abraço especial a todos os amigos que conheci em Floripa. Tenho três amigas lá que, juntas, formamos um quarteto inseparável e muito interessante. Nós somos super diferentes umas das outras, mas cada uma se identifica com a outra em alguma coisa e, dessa forma, a gente acaba se completando. É engraçado porque eu jamais imaginei que criaria laços tão importantes assim de um jeito tão rápido, e elas são aquelas amigas que eu sei que vou aguentar durante o curso todo e vou querer levar para a vida.
Ei, chatinhas, amo vocês! (Falei de vocês no blog!!)



Essa retrospectiva já está grande demais, né? Mas esse ano foi tão sensacional que eu não consegui falar tudo, mas acho que consegui expressar um pouco do que vivi e do porquê 2016 será tão inesquecível para mim.

Aos que chegaram até aqui no texto, muito obrigada, espero que tenham gostado, e até ano que vem!